Avatar

sábado, 7 de junho de 2014

Série de Estudos dos Fenômenos Mediúnicos: Pirogenia ou Manifestações Paranormais de Fogo


"Tudo aquilo que não compreendemos estranhamos. Fogo há em toda parte." 


Um Espírito





"Do atrito de duas pedras chispam faíscas; das faíscas vem o fogo; do fogo brota a luz." 

Victor Hugo

***

O fenômeno que iremos tratar neste artigo, apesar do que possar inicialmente parecer, não é tão raro o quanto se pensa. Trata-se da Pirogenia, ou Manifestações Paranormais de Fogo, também conhecido por Combustão Espontânea. Poderíamos dizer que, eliminando as manifestações feitas em condição de exame, por Espíritos, para auxilar em pesquisas experimentais, a maioria possui um caráter nocivo, muitas vezes aparecendo em casos extremamente complexos de obsessão.  

Tal fenômeno se caracteriza pela aparição recorrente de fogo em objetos, sem uma causa comum aparente. Quando ocorrem de forma natural, sem ser em condições de pesquisa, causam muito sofrimento às pessoas que convivem com ele, sejam sofrimentos psicológicos, pelo medo de não saber o porque as coisas em sua casa começa a pegar fogo repentinamente, sejam problemas financeiros, pois muitos objetos de seu uso pessoal são destruídos. Observando os casos, vemos uma clara deliberação em causar prejuízos ao médium vítima de tal assédio, ou mesmo a toda família que é alvo dos assediadores.


Johann Karl Friedrich Zöllner
O físico e astrônomo alemão Johann Karl Friedrich Zöllner, em "An Account of Experimental Investigations from the Scientific Treatises: Transcendental Physics", traduzido para o português com o título "Provas Científicas da Sobrevivência" de 1881,  nos relata um caso por ele visto, durante as suas pesquisas:

"Na manhã seguinte, às 11 horas, von Hoffmann tomou parte na nossa sessão, sentando-se à minha direita; Slade, como de costume, à minha esquerda. Depois de obtermos algumas comunicações escritas, de repente vimos surgir de debaixo da mesa e de diferentes lugares uma coluna de fumo que, a julgar pelo cheiro, devia provir de ácido sulfúrico e salitre. Imediatamente olhamos embaixo da mesa e vimos uma tênue fumaça como procedendo de um fósforo riscado. Logo em seguida se repetiu o fenômeno, porém mais pronunciadamente. Slade propôs colocarmos uma vela embaixo da mesa para vermos se os seres invisíveis seriam capazes de acendê-la.
Von Hoffmann tomou dois castiçais com velas ainda não usa-das e os colocou embaixo da mesa na parte mais distante de Slade. Juntamos as nossas mãos. Logo em seguida surgiu fumo debaixo da mesa em todas as direções e um dos castiçais surgia com a vela acesa. Depois de alguns segundos, novamente baixou e quando examinamos embaixo da mesa lá se achava uma das velas ardendo. Para certificar-me da ausência de uma alucinação, tomei de um pedaço de papel e o coloquei sobre a chama da vela, queimando assim um buraco. Em seguida tomei de um lacre, derreti-o na vela e o deixei pingar no papel e pus o meu sinete.
Depois de termos acalmado a nossa admiração, sentamo-nos novamente à mesa, colocando no centro a vela ainda acesa. Slade sonambulizou-se e de olhos fechados nos dirigiu as seguintes palavras que von Hoffmann copiou:
Fragmentos de Sílex

“Tudo aquilo que não compreendemos estranhamos. Fogo há em toda parte. Pensai no sílex do qual o extraí. Ele existe em todos os elementos à volta de vós. Que esta luz seja o vos-so farol no caminho das vossas investigações, que seja ela o símbolo da luz que deve romper as trevas do mundo. A luz do cérebro iluminará o vosso caminho!"




Fenômenos Mediúnicos sempre existiram, como todos os fenômenos naturais, e com a pirogenia não poderia ser diferente, Ernesto Bozzano, em seu magistral "Marcas e impressões supranormais de mãos de fogo", inicia fazendo referência a um caso muito antigo, de 1654:

Charles Richet
Prêmio Nobel 1913
"Em 1905, o Professor Charles Richet publicou, nos Annales des Sciences Psychiques, um artigo intitulado "Fenômenos metapsíquicos de outrora", no qual traduziu do latim uma crônica do ano de 1654, relativa aos "milagres" operados por um espírito que se manifestou a uma moça chamada Regina Fischerin, residente em Presburg, na Hungria. Entre os milagres em referência, registraram-se a impressão inflamada de uma mão do espírito, que ficou gravada num tecido, e outras impressões do mesmo gênero, em forma de cruz, traçadas na mão da vidente. Uma fototipia dessas impressões foi reproduzida no artigo em questão.

Em 1908 e 1910, o Sr. Francesco Zingaropoli, advogado em Nápoles, publicou, por sua vez, na Luce e Ombra, dois longos estudos sobre o mesmo assunto, e, depois de citar o caso relatado pelo Sr. Richet, acrescentou doze outros casos semelhantes, todos tirados de crônicas antigas. Ele tratou igualmente das impressões de mãos de fogo gravadas, em roupas brancas e outras vestes e nos corpos dos percipientes, por fantasmas de defuntos.

Na maior parte dos casos, essas manifestações eram acompanhadas de diálogos com os espíritos, assim como de fenômenos supranormais diversos, em grande parte semelhantes aos que se produzem em nossos dias."

Aqui, no Brasil, também são vários os casos registrados. Entre eles, por exemplo, uma série de episódios ocorridos na cidade paulista de Suzano -, que aliás, alcançou bastante repercussão - a envolver uma adolescente, Laura(a médium), filha mais velha do casal Jeziel Eleutério de Souza e sua esposa.

O professor Hernani Guimarães Andrade, que investigou esses fenômenos desde o início, publicou um relatório minuciosos dos fatos ocorridos, "Poltergeits: Algumas de suas ocorrências no Brasil". Transcrevemos aqui alguns trechos importantes da obra:

Hernani Guimarães
"Aproximadamente às 12 horas, ouviu-se o ruído de uma explosão que partiu de dentro da casa fechada. Os vizinhos tiveram sua atenção despertada pelo barulho e , atônitos, notaram que saía fumaça pelas frestas do telhado. Imediatamente, juntaram-se a Laura e correram para acudir a casa. Ao entrar, notaram que um princípio de incêndio estava se originando no interior do guarda-roupa situado no quarto do casal. As roupas ali guardadas manifestavam combustão inexplicável. Deitaram-lhe água, extinguindo o fogo ainda no início. As roupas foram retiradas, colocadas em uma sacola e levadas para o sanitário localizado fora da casa (...)





Tábua do guarda-roupa queimada
clique para ampliar
Às 17 horas, aproximadamente, iniciou-se nova combustão espontânea no mesmo quarto do casal. Desta vez as roupas de cama e o colchão do berço ali situado, próximo ao guarda-roupa, começaram a pegar fogo. Naquele momento não havia ninguém no quarto. O princípio de incêndio foi acudido e controlado a tempo. Seguiu-se nova pausa de cerca de uma hora, naturalmente vivida sob maior tensão, expectativa e medo por parte da família de Jeziel.







Colcha de cama queimada
clique para ampliar

Às 18 horas mais ou menos, as roupas ainda intactas, que haviam sido postas a salvo no sanitário fora da casa, incendiaram-se espontaneamente dentro da própria sacola em que foram transportadas. Também não havia ninguém no local do fenômeno. A combustão foi detectada graças à fumaça desprendida que logo chamou a atenção dos presentes, já a esta altura atentos a qualquer sinal de alarme."





Em casos dessa natureza, é de extrema importância que pessoas com experiência em reuniões mediúnicas possam intervir  com a cautela devida, haja vista que, a exemplo de sequestradores, os espíritos desencarnados inferiores podem, sim, causar um desastre, dessa forma pessoas com um perfil negociador são necessárias para tentar solucionar de forma pacífica o caso.

Mas, poderíamos perguntar, o que levaria esses desencarnados a fazer isso ? As causas são tão numerosas quanto as ações provocadas com motivações egoístas. Podemos aqui enumerar duas causas bastante comuns para a maioria dos assédios: dívidas de outras existências agora sendo cobradas pelos prejudicados por nós outrora e acordos criminosos feitos entre encarnados e desencarnados, com motivações egoístas, para que os desencarnados possam prejudicar outros encarnados. Quem de nós nunca passou na rua e se deparou com um amontoado de comida, galinha morta, bem como bebida alcoólica, tudo misturado ? Espíritos desencarnados muito inferiorizados fazem uso dos fluidos que permeiam aqueles alimentos e bebidas alcoólicas, levados até ali por encarnados que desejam prejudicar outros encarnados e nessa espécie de escambo, os mercenários do mundo espiritual fazem o que pediu o encarnado. Não estamos querendo dizer aqui que, em religiões onde se pratica ofertas,  todo ritual onde ocorra oferendas sejam feitos nesse sentido leviano, mas sim que há casos em que essa prática ocorre como escambo entre encarnados e desencarnados moralmente inferiores com intuitos egoístas. É importante ressaltar aqui que essa associação criminosa com desencarnados levianos coloca o próprio encarnado que faz uso de seus serviços como uma potencial vítima no futuro, da mesma forma que é perigosa uma associação com bandidos encarnados. Estudemos esses assuntos de forma racional, sem ideias preconcebidas e assim ficará cada vez fica mais claro que o ser humano, mesmo após a morte, continua o mesmo, com seus interesses, virtudes, defeitos e sentimentos, evoluindo não de uma hora para a outra, mas ao curso de milhares de reencarnações. Um grande abraço !


Para uma melhor compreensão do assunto aqui abordado, indicamos, além dos livros acima citados, o "Teoria da Mediunidade" de Zalmino Zimmerman.