Avatar

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Reflexão: A Construção do Eu


"A boca fala do que o coração está cheio" Lucas,6.45

É importante mantermos uma postura de observação de nós mesmos; os atos, sentimentos e ações dizem muito sobre nós e se observarmos como lidamos com os fatos da vida poderemos perceber quem de fato somos.

A tendência natural é a do progresso, mas recordemos que a estagnação faz parte de nossas próprias escolhas,  o lado positivo é que está em nós a possibilidade de mudarmos, de progredirmos, de compreendermos e sobrepormos nossos próprios limites.

As possibilidades estão encerradas em nós mesmos e assim construimos o chamado EU, a construção do eu se dá desde a infância, mas é um eterno aprendizado.

Reflexões são o meio de analisarmos  situações , podemos refletir sempre diante de nossos conflitos, sejam quais forem, desde que sejam sinceras as análises e sem pré julgamentos. Cobramos muito de nós mesmos algumas vezes, então uma boa reflexão deve ser tranquila, calma e objetiva.

Quantos bloqueios,ansiedades,medos e doenças podem ser contornados com a observação das causas e  podemos partir dos sintomas - observe-os para então chegar as causas e das causas busque refletir como solucionar.

Porque vivermos uma jornada conflitante? Porque não iniciarmos nossas mudanças? Quais são as partes a serem trabalhadas e refletidas para nossa melhora? Nós que escolhemos sempre entre seguir ou estagnar.

Conhecer a si mesmo é proveitosa lição, alias urgente lição, para que alcancemos a paz interior, a serenidade e uma visão positiva diante da vida, do aqui e do agora.

Os problemas irão surgir, a injustiça ainda fará vítimas,os pesares idem - mas e nós em meio a tudo isso? Quais serão nossas escolhas? É uma questão pessoal. É uma decisão que cabe a nós e nunca ao outro,como é de costume pensarmos, pensar assim, na realidade, faz com que criemos expectativas ilusórias.

Nem todos estão prontos para um processo consciente de construção do eu, então a responsabilidade jamais caberá ao outro, mas a nós.

Sabe aquela tristeza, angústia,mágoa? Aquela vontade de dizer, de rever alguém,de amar? Ou aquele medo,vergonha ou culpa? Podem servir de lição, pois de fato estão aí para serem analisados, e melhor, conquistados ou dominados.

Não são prisões, a prisão é apenas ilusão mental,criada por nós mesmos, e tão antigo que encontramos até mesmo na bíblia, no evangelho, entre outras obras - tomemos como imagem Jesus, que afirmou ser possível com fé (ou seja acreditando) mover montanhas - está aí, quais são as montanhas?

E se observarmos bem veremos que nada tem de vingança divina, como vemos alguns pregarem ...mas de oportunidade, de progresso pessoal. Não desejamos melhorias? É preciso ação! E isso sim é divino.

Não nos falam de céu e inferno como se todos os nossos atos fossem fatores a nos julgar perpetuamente? Ilusão!Somos nós quem os criamos ou os aceitamos em nossas vidas. O perpétuo são as experiências, havendo muito de justiça divina em novas jornadas reencarnatórias e assim, voltando mais lúcidos triunfamos cada vez mais. O processo se inicia com a nossa iniciativa e há beleza e há mérito e há conscientização que nos aguardam sempre.

Que a paz que buscamos se inicie em nós, sem criações fantasiosas, sem medos e sem ilusões.A conscientização é libertadora.