Avatar

segunda-feira, 6 de maio de 2013

DISCERNIMENTO SEMPRE - SOBRE O DESPERTAR DE FACULDADES MEDIÚNICAS



Discernimento sempre! Este post é um alerta em relação a provocação, indução ou experiências que venham a provocar o despertar de faculdades mediúnicas ou espirituais seja para o fim que for.

Sim, sou contrária ao que não acontece de forma natural, a espiritualidade usada sem medidas jamais será benéfica, a busca por respostas utilizando meios não confiáveis não é indicada.

Nenhum Centro Espírita irá realizar ou indicar tamanho contrassenso, a mediunidade é antes uma faculdade que surge na infância (neste caso o correto é observar, sem dar muita relevância ao fato para, mesmo porque as crianças são criativas e imaginativas, embora possam ser médiuns natas ou recordarem de vidas anteriores, relatando inclusive experiências) ou em outra etapa da existência e deve ser acompanhada, entendida através de estudos e não servir de palco a curiosidades ou demonstrações. Não é um poder concedido, mas um dom que se destina a caridade, ao amor e auxílio.

Não existem cobranças no Espiritismo seja de assiduidade, de troca de uma religião por outra, de pagar por trabalhos ou assistência espiritual, de servir para adivinhações ou previsões de nenhum tipo de problema, de  explorar a abertura de canais de comunicação  a quem desejar “ ver espíritos”, “encontrar ente querido” ou coisas a fim.

Talvez o maior nome do Espiritismo, Chico Xavier, sempre abordou o tema, levando a espiritualidade ao amparo e benefício de tantos quantos o buscaram, ressaltando que as intermediações acontecem exclusivamente com a permissão divina, como meio de curar, amparar e consolar; elucidando como é a doutrina sem se servir de espetáculo. Todas as psicografias por ele conduzidas demonstraram-se verdadeiras e impossíveis de serem fruto de sua imaginação, com ricos detalhes e pormenores vividos por famílias de seu completo desconhecimento (há inúmeros relatos, incluindo pessoas que professam outro crédulo, basta pesquisar).

Há inúmeras formas de se provocar o despertar das faculdades extra físicas, como a maioria sabe.

Uma delas é através do Ayahuasca - frequentadores do Santo Daime se reúnem para tomar Ayahuasca em grupo. Normalmente, eles usam a droga alucinógena em rituais religiosos, com cânticos e louvações. A bebida, feita a partir da mistura de um cipó e das folhas de um arbusto amazônico, produz um efeito alucinógeno e costuma causar visões e experiências místicas em seus usuários. O ritual tem origem indígena – a bebida era consumida pelos povos da floresta em cerimônias desde tempos ancestrais.

Sem estudo e preparo me questiono quanto aos fins de tal experiência, reflitamos.

Outa é através das técnicas de ativação da Kudalini, - primeiro chakra, denominado no ocidente como Chakra Base ou Chakra Raiz é o responsável por manter o fluxo de energia ascendente da terra para o corpo (energia telúrica). Técnicas orientais e descrições herméticas relatam o fluxo dessa energia, usando-se a expressão "fogo serpentino", que descreve sua ascensão através dos nadis.

Para os verdadeiros estudantes da sensibilidade espiritual, não há um método que não seja este: não se deve forçar em nada o desenvolvimento das faculdades psíquicas, mas esperar o momento delas se manifestarem com toda a naturalidade, no decurso da evolução normal (podendo ou não acontecer).

Assim, poder-se-á colher todos os benefícios e evitar-se-á todos os perigos. O Espiritismo orienta que tudo deve acontecer de forma normal, pois quando o desenvolvimento é provocado, ele causa desequilíbrios, a pessoa terá, de forma precoce, percepções que normalmente não sabe conduzir e controlar.



Para a Doutrina Espírita os chacras, chamados ali de Centros de força do Perispírito, são órgãos que acompanham a alma, após a morte do corpo físico e, quando da encarnação, presidem à organização somática. Também é através do chakra localizado no ombro que a psicografia é possível. Na obra Evolução em Dois Mundos, o espírito André Luiz narra sua evolução nos seres vivos.
Cada chacra, no corpo físico, está diretamente ligado, além de um plexo nervoso, a uma glândula específica. Os sete principais seguem o elenco apontado pela teosofia, mas dezenas de outros existem. Em alguns livros são também nominados de "centros psíquicos" e em Kardec aparecem como "poros perispiríticos".
Nos anos 60, foi estudado pelo ex-padre e grande espírita, Carlos Torres Pastorino, na obra "A técnica da mediunidade".

O despertar da consciência deve ser antes de tudo uma conduta: ter uma consciência dos próprios atos, buscando a elevação destes para consigo e aos outros.

Ter consciência já é bem trabalhoso - não julgar, ter pensamentos sadios e positivos, amar, respeitar, perdoar,compreender a sí e ao próximo, iniciemos com isso.

As drogas são como alucinógenos potentes, ativadores das sensações extra sensoriais; nem há a necessidade de prolongar os efeitos que podem ocasionar, muito relacionado até a quadros de loucura.

Caso seja médium o conselho é encontrar um centro com o qual se identifique para antes de trabalhar, estudar a fundo; jamais o medium iniciante é convidado a tarefas ou ensinamentos.

Controlar as sensações, compreender a mediunidade, os tratamentos espirituais existentes, as formas de comunicação, os tipos de energias, enfim, estudo sério além do comprometimento moral. Aqui reside a diferença entre médiuns compromissados e não compromissados, vulgarmente denominados “bons” ou “maus” pois sendo tudo sintonia, sintonizamo-nos com aquilo que estamos ligados, infelizmente há os que se sintonizam com baixas vibrações e “maus” espíritos, ainda que de forma inconsciente – orai e vigiai (fé e conscientização do papel que nos cabe), sempre uma grande lição a ser seguida. 

Saibamos discernir sempre, este é um convite que vos faço.