Avatar

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Obsessão Epidêmica: Caso de Morzine e Outros

Olá amigos! 

Hoje compartilhamos casos interessantes para estudo, retirados do livro "Desobsessão por Corrente Magnética", de Maurício Crispim.

Abordaremos a questão das correntes magnéticas ao final do post, embora seja apenas uma visão particular sobre estas, o tema principal é o das obsessões epidêmicas.



Esperamos que gostem e comentem para juntos debatermos mais.Está feito o convite ;)

"São mais das vezes individuais a obsessão e a possessão;mas, não raro são epidêmicas. Quando sobre uma localidade se lança uma revoada de maus espíritos, é como se uma tropa de inimigos a invadisse" - Allan Kardec, A Gênese,21.

Allan Kardec escreveu inúmeros artigos sobre as obsessões epidêmicas, além de relatos sobre suas viagens a comunidades que, naquela época, passavam por processos coletivos de influenciação.

Na RS de 1862, pp.321/322 Kardec apontou seus relatos de viagem de mais de seis semanas, tempo em que visitou os possessos de Mozine, na Alta Sabóia.

O assunto já havia sido tratado em outros artigos e também no "Livro dos Médiuns", relatando: o que um espírito pode fazer a um indivíduo, vários podem fazê-lo sobre diferentes indivíduos".

Kardec analisou os habitantes de Morzine assim como médicos da época, como Dr. Chiara e Dr. Arthaud do Hospital de Alienados de Lião, constatou os meios curativos empregados tanto pela medicina quanto por exorcistas.

Anos de obsessões em Morzine, levou Ch. Lafontaine a escrever em seu jornal "Magnétiseur", de Genebra, sobre "a terrível doença"; esteve em Morzine também o Monsenhor Maguin, bispo de Annecy em 1864 o que ocasionou à epidemia existente proporções assustadoras que o levou a declarar oficialmente não ser forte o bastante para dominar a praga.

A ciência nada pode auxiliar no caso, a violência do caso de Morzine era de alto grau, incluindo subjugação e possessão elevada.

Na Revista Espírita de abril de 1862 o espírito Erasto traz em sua mensagem:

"Os casos de demoniomania, que agora ocorrem em Sabóia, já ocorreram em muitos outros lugares, notadamente na Alemanha e principalmente no Oriente. Esse fato anormal é mais característico do que pensais. Realmente ao observador atento revela uma situação análoga à que se manifestou nos últimos anos do paganismo. Ninguém ignora que quando o Cristo, encarnou na Judéia, naquela região houve uma invasão de maus espíritos que, pela possessão, como hoje, se apoderavam das classes sociais mais ignorantes, dos mais fracos e menos adiantados...

...Voltando aos casos atuais, é preciso lembrar que os cientistas, os médicos do século de Augusto trataram, conforme os processos hipocráticos, os infelizes possessos da Palestina e que toda ciência esbarrou ante esse poder desconhecido....."

Comparando a analogia dos fenômenos de Morzine com aqueles que diariamente a mediunidade põe aos nossos olhos, evidente ficam as influenciações, relatadas em grande número nas Revistas Espíritas, a História registra fatos semelhantes, como o das religiosas de Loundun, dos convulsionários de Saint-Médard, dos da Cévenes e os bíblicos.


O livro que mencionamos no início do post observa que a única diferença entre as obsessões coletivas e as individuais é o caráter epidêmico apenas; outros aspectos como quadro clínico, diagnóstico diferencial, patogenia, patologia e etc se assemelham.

Os que desejarem um estudo mais completo poderão recorrer da bibliografia analisada por Thiesen e Wantuil.
Morzine, na época

Vejamos agora o parecer de CH.Lafontaine elaborado na época em relação aos possessos de Morzine:

"Os enviados do governo francês fizeram relatórios, num dos quais o sr. Constant declara que o pequeno número de curas realizadas naquela população eram devidas ao magnetismo por mim empregados em Genève, entre 1858 e 1859....os possessos são tomados por convulsões violentas, acompanhadas de gritos, perturbações no estômago e gestos dos mais impressionantes, sem falar dos juramentos e de outros processos escandalosos, de que os doentes se tornam culpados, quando os obrigam a entrar numa igreja.
....
Conseguimos curar vários destes doentes, que não sofreram outros ataques, enquanto moravam longe das influências prejudiciais do contágio e dos espíritos feridos na sua terra. Mas em Morzine o mal não cessou de fazer devastações entre a população infeliz: ao contrário, o número de vítimas foi crescendo.Em vão realizam preces e exorcismos; em vão levaram os doentes para os hospitais de várias cidades distantes, o flagelo em geral, ataca mocinhas, cuja imaginação é mais viva.... - Revista Espírita, agosto de 1864,p.225.

Revista Espírita, maio de 1863,p.183: relataainda o caso das curas realizadas em Moscou, semelhantes ao de Morzine, com emprego do magnetismo e preces, secundado por espíritos benfeitores.

Interessante obra, a qual indicamos a leitura, com maiores explicações e reflexões, lembrando apenas que há como base o uso da chamada corrente magnética, empregada em alguns centros espíritas, elaborada após pesquisas e experimentações.

Alguns a criticam,outros se valem destas correntes magnéticas para desobsessão em massa, o livro traz suas considerações sobre a prática, preferimos não entrar no âmbito da questão neste post a fundo, apenas consideramos, a fim de compartilhar nossa visão como sempre procuramos fazer nos posts, que acreditamos ser melhor o tratamento individual, salvo casos epidêmicos, seja por respeito ao atendido, seja pela qualidade que se pode ofertar nos casos de atendimento particular.

Certa vez, ainda muito nova estive num centro que realiza a prática, embora tivesse ido apenas para passe e não para desobsessão e impressionei-me na época com as agitações tão próximas a mim, que também médium pude não apenas ouvir como os demais lá presentes, como também sentir as energias e vibrações.

Notável o desconforto geral, que penso ter contribuido negativamente nos intuitos da assistência da casa, já que o ambiente equilibrado também conta, além dos sentimentos e pensamentos ali emanados pelos que estavam lá em tratamento e dos que estavam lá para simples passe.

Deixamos que cada qual reflita e avalie conforme possam compreender, afinal não temos nenhum propósito de convencimento de opiniões que são só nossas, escritas aqui para debatermos em conjunto. 

Abraços a todos, deixem comentários, aprender junto é muito mais sadio ;)

Infelizmente não encontramos a obra mencionada para inserirmos para download e leitura, mas há outros materiais na internet sobre o tema desobsessão por corrente magnética para quem desejar conhecer mais de perto; aqui procuramos apenas retratar os casos de obsessão epidêmica, o que de certo modo nos fez pensar, talvez a você leitor também, nos casos atuais em que acompanhamos nos noticiários...