Avatar

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

À Vovó Neuza, Entes Queridos e À Todos Nós

Caros leitores, dedico este post à vovó Neuza, avó do nosso querido Alexandre, autor também do blog Luzes e à todas as famílias. 

 Neuza ou vovó Neuza teve vários filhos e netos, nas palavras de Alexandre, cooperou bastante com a programação reencarnatória neste sentido, comum em sua época que se gerasse uma família grande:) 

Desencarnou na data de ontem rodeada de atenções e vibrações, deixando enorme saudades.  

Não, vovó Neuza não é nenhuma celebridade, mas justa é a homenagem e nos permite refletirmos, com algumas análises sobre família, desencarne, laços que se perpetuam e claro, o amor. Alguns leitores passaram pela experiência de terem que zelar por algum ente idoso, trocando muitas vezes de papel, antes cuidados, passaram a cuidar.

Quem passou por esta situação sabe que não é tarefa fácil, no caso da vovó Neuza, que tive a grata felicidade de conhecer, não foi diferente, desencarnou com 98 anos de idade.

Amigos, infelizmente não são todos os idosos que contam com a paciência tão necessária e justa quando perdem suas habilidades físicas, de convivência ou ainda lucidez. 

É relevante refletirmos que continuam sendo a mesma pessoa, só que em outra condição. Há os que se esquecem no entanto desta realidade, não apenas quando tratam de idosos, mas como também no que se refere a crianças, entes incapacitados, debilitados ou que estão em leitos. Sujeitos e submetidos ao nosso olhar, atenção e cuidados. 

Verdade é que muitos se distanciam, quando se deparam com a necessidade de cultivar a paciência e o amor. Mas se todos temos como princípio, dentro da doutrina amparar o próximo, quanto mais é dever nosso amparar nossos entes queridos. 

Ao ver a vovó seguir tranquila para outro plano espiritual, com sua tarefa muito provavelmente cumprida, pelos atos dela enquanto encarnada, refleti não apenas sobre os idosos, como em todos aqueles que estão sob a guarda de alguém.Se pudessem evitar, guardemos a certeza que optariam por conviverem conosco apenas sadiamente. 

 Me deparei ao longo da vida com pessoas brilhantes e queridas, mas que em dado momento, repousaram na inércia. Sabemos que em muitos casos trata-se de expiações e provas, em outros, decorrência natural advindas de acidentes ou idade avançada.Mas a condição temporária encerra antes um indivíduo, uma personalidade, um ser humano. 

 Estes pensamentos nos faz refletir sobre o tempo, este que se passa enquanto estamos atarefados e com tantas preocupações. Nossos entes amados em algum momento se ausentarão fisicamente de nós, enquanto houver tempo de desfrutarmos da convivência, que não neguemos carinho, incentivos, auxílio.

Me lembro que em algumas ocasiões escutei sobre o mal uso do tempo de amigos e familiares.Alguns carregam até mesmo culpa por não terem doado o tempo ao ente querido. Culpa não é em nenhum caso sentimento sadio, livremo-nos das culpas, são de fato fardos que mais congelam atos e fixam idéias do que o contrário.

Chico recorda-nos através das palavras de amparo que nos deixou, que todos temos o momento presente em nosso favor. Façamos bom uso, aproveitemos, se tivermos que mudar algo, coragem para que possamos dar mais este passo. Sabemos que há leitores que tiveram que lidar com o desencarne doloroso de entes e amigos, estes mesmos também nos mostraram exemplos de coragem, de fé e da certeza que Deus a ninguém desampara. 

Verdade que a dor fica, é a dor da ausência física, pois como sabemos a continuidade existencial favorece a nós todos, o que nos ressentimos é da ausência temporária. Recordar que a alma é imortal é recordar que há novas oportunidades, e sim, reencontros.O amor é um sentimento imortal igualmente.Quantos laços não mantemos por amor? 

 Aliás, o último post, no qual postamos o filme - verídico por sinal, e que iremos comentar ainda, recorda-nos do amor que se sobrepõe.Guardem essa certeza nos corações e que seja o amparo em momentos difíceis a cada um de vocês. 

 O desencarne de vovó Neuza me permitiu estas reflexões, assim como sobre o mérito.Recordei-me da maravilhosa obra de Kardec, O Céu e o Inferno. Psicografias que apresentam as condições de alguns espíritos depois do desencarne, conforme o mérito de cada um apresentado no livro. Amigos, méritos contam e poder observá-los não apenas durante a passagem deste plano a outro,mas ainda quando encarnados é lição valiosa. 

 Embora tenhamos injustiças na terra, há também a justiça e socorro, e muito de mérito é contado, além da aprendizagem em si. Todo este cenário é de esperança, tantos blogs e sites de amigos que nos mostram a continuidade de nossa existência, estudos científicos, experiências diversas...e levam esperança, ainda que não seja este o intuito ou objetivo final, principalmente na área científica. 

Assim, pelos méritos de vovó Neuza, sua passagem foi tranquila. Aproveitando dos momentos sadios, doou amor, conselhos, presença física, entre tantos outros feitos que me fizeram dedicar a ela, ao Alexandre e sua família esta homenagem e reflexões. Aprendemos incessantemente. Os que partem, deixam no entanto um pouco de si.Reencontraremos com os que amamos, com os que nos dedicamos e estabelecemos laços. 

 Esta certeza é fortaleza divina.Mas se não houve condição de auxiliar um ente, de novo, não carregue culpas.Reverta em atos, reflita, siga. Todo tempo é tempo útil.Outra certeza que nos faz caminhar. 

Se está auxiliando um ente neste momento, receba leitor também esta homenagem, em meio as dificuldades, a certeza que seu ente embora debilitado é o mesmo de antes e continuará a ser, seremos, todos, entre idas e vindas, espíritos a evoluir e a progredir. Ninguém regride. Saber que somos todos acompanhados e que há utilidade em cada uma das histórias vividas é generoso presente de Deus. 

Vovó agora seguirá, continuará a progredir e aprender, mantendo os mesmos laços já estabelecidos. 

Vovó Neuza pelo que pudemos saber, foi conduzida por seu mentor e entes desencarnados queridos ao repouso necessário, até que então recobre sua lucidez e venha,mais uma vez, a derramar seu amor aos seus. 

 Agradeço aos que leram a mensagem escrita de todo coração, certeza que vovó a recebeu assim como as demais dirigidas a ela.Assim como a sua, que dedicastes com amor aos seus entes desencarnados ou encarnados. Amigos, isso é divino.

Amem aos seus, mesmo em meio a problemas, dificuldades e distâncias. Que Deus olhe por todos os nossos entes desencarnados, que encontrem repouso primeiramente e, depois, luz em cada empreitada. Estarão sempre conosco.É a graça de Deus. É o resultado do amor maior,incondicional e difícil de descrever em palavras. 

 Desejo força, coragem e fé, sinceramente a todos que sofrem pela distância momentânea.Há muito material na doutrina que podemos estudar para compreendermos melhor o desencarne. Se conhece alguém que necessita deste amparo, oferta amigo.Ou receba você neste instante. 

 Quando a dor é grande o reencontro também pode se dar quando desprendidos do corpo físico, enquanto dormimos.Muitos guardam lembranças destes reencontros, já postamos sobre os sonhos e reencontros que se dão desta forma. 

 Assim como nos interessamos pelos que partiram, estes também se interessam por nós.Há retornos como o mostrado no filme Nosso Lar e em outros das obras espíritas, em que entes retornam ao lar e visitam familiares. Desejam que nós continuemos, com saúde, fortalecidos.Há psicografias, psicofonias e materializações. Provas incontestáveis que os laços vigoram. 

 Gosto de escrever como quem conversa, entre amigos mesmo, os considero assim. Saibam que guardo os nomes de cada um que acompanha o blog, agradeço por existirem.São, embora talvez não suspeitem, força e incentivo, e disso, todos necessitamos. 

 Deixo meu agradecimento à vovó Neuza, as lições passadas à sua família. Meu agradecimento aos leitores que incentivam estas reflexões.Dedicado à todas as famílias.À todos que partiram antes de nós. Sintam-se fortalecidos e amparados. Uma postagem simples, porém sincera e com a convicção que poderá levar algum carinho à algumas famílias.

Coisas que vovó Neuza com sua delicadeza inspira, obrigada vovó, até breve. Luz e paz a todos, com carinho e desejo de uma ótima semana.

A vida continua, aqui e logo alí, em ambos os planos. 

Abraço a todos.