Avatar

domingo, 16 de março de 2014

Palestra Vida após a Morte e as Consequências Espirituais do Suicídio e Entrevista com Wagner Borges no IPPB

Wagner D’Eloi Borges –  Pesquisador espiritualista, médium, projetor extrafísico, conferencista, consultor da Revista UFO e colaborador de várias outras revistas como, Sexto Sentido, Espiritismo e Ciência, Revista Cristã de Espiritismo, Caminho Espiritual, e também do Jornal O Legado.
É escritor - autor de onze livros dentro da temática projetiva e espiritual, dentre eles a série “Viagem Espiritual”, sobre as experiências fora do corpo.
É colunista de vários sites na Internet: SomosTodosUm, Revista Sexto Sentido, IPPB: www.ippb.org.br, dentre outros. É radialista – apresentador do programa “Viagem Espiritual”, na Rádio Mundial de São Paulo – 95.7 FM.

Estivemos no IPPB (Instituto de Pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas), assistindo a palestra  “Vida Após a Morte e as Consequências Espirituais do Suicídio” , ocasião em que gravamos vídeos com trechos da palestra e realizamos uma entrevista com o Wagner Borges, abaixo postadas.
Esperamos que gostem!







TRECHOS DA PALESTRA:





ENTREVISTA:
Flávia:Durante a palestra você mencionou ser importante enviar energia aos suicidas. Pergunto se há risco em apenas em emanar energias ou realizar preces nesses casos?
Wagner: Emanar energia não ajuda um suicida, só aumenta sua densidade *. Agora emanar pensamentos positivos auxilia muito.
Flávia: Então não há problema em acarretar uma obsessão ao enviar a um suicida pensamentos positivos e preces?
Wagner: A questão de um suicida é mais grave,então todo mundo fala "não mexe com isso se não estiver preparado" pois é uma situação drástica; neste sentido, sim. Mas, se é alguém que mexe com energias, um curador, precisa mandar - é até uma obrigação.
Ou seja, um médium, um sensitivo, alguém que trabalha com energias.Agora, uma pessoa comum, sem ter conhecimento, é melhor não mexer porque é uma situação limite - difícil mesmo, pois pode sentir o que o desencarnado estiver sentindo do lado de lá. Se for sensitivo, saberá tirar as energias, mas se não, há este problema.
* um suicida pelo próprio ato cometido abandona o corpo ainda carregado de energias (duplo etérico) o que provoca esta chamada densidade energética - fato que não ocorre necessariamente nos demais tipos de morte.Desta forma, enviar mais energia para alguém que já se encontra excessivamente carregado delas, seria piorar seu quadro.
Flávia:Durante a palestra, você comentou sobre as crianças ditas Índigo*, qual a sua opinião acerca dessa teoria? 
Wagner: É uma viagem, viajadona (sic), é uma criação do movimento New Age americano; é igual anjo, duendes, para vender ideias de crianças especiais.
* as denominadas pela teoria como crianças índigo e cristal seriam crianças "especiais" que reencarnaram na terra por volta dos anos 80.Crianças índigo é o termo utilizado para descrever crianças que a pseudociência e a parapsicologia acreditam ser especiais. Os defensores desta crença afirmam que os "Índigos" constituem uma nova geração de crianças com habilidades especiais, e que têm por objetivo a implantação de uma "Nova Era" na Humanidade. Estas crianças são geralmente classificadas como possuidoras de habilidades sociais mais refinadas, maior sensibilidade, desenvolvimento profundo de questões ético-morais e portariam personalidades peculiares que possibilitariam facilmente sua identificação relativamente a outras crianças.
Embora farta literatura tenha sido publicada nos últimos anos, não há qualquer demonstração científica sobre a ocorrência do fenômeno. O sistema de classificação "crianças índigo" e "crianças cristais" é rejeitado por conselhos de pediatria e especialistas em educação infantil. Críticos apontam que o sistema é tão vago que pode aplicar-se a praticamente qualquer um, levando ao que se conhece como efeito Forer. Contudo, é de notar a crescente relevância que as crianças índigo têm revelado para a parapsicologia.



Flávia: Há ainda a ideia que sustenta a existência dos chamados adultos Índigo, que seriam aqueles que sofrem da Síndrome do Sentimento Estrangeiro*, o que nos diz a esse respeito ?










* sobre a síndrome do sentimento estrangeiro pode ser lida nos posts já publicados sobre o assunto, verificar marcações do blog ou através de pesquisas no mesmo.
Wagner: A Síndrome do Sentimento Estrangeiro, não passa de saudade que o Espírito encarnado tem de sua casa original, que também é um conceito espiritual, que nada tem a  ver com a Teoria Índigo.Todos nós, em algum momento, sentiremos essa saudade, que é uma espécie de saudade de casa e aí, se você deixar isso torna-se negativo.
Se você usar essa saudade positivamente você pensa: "Estou com saudade. Eu não sou daqui, mas estou num trabalho aqui, então devo fazer tudo direitinho, aguentar, até o último instante e então voltarei para casa melhorado.Se eu tentar voltar antes, além de não voltar para casa, terei que regressar (reencarnar) e situação difícil.
Então devemos usar essa saudade como trampolim pra trabalhar melhor, a saudade não é um problema, problema é deixar a saudade tomar conta e anular a encarnação. Você tem que fingir que é daqui, mesmo sabendo que não é - faz-e o trabalho direitinho, "tira o personagem" e volta a ser você mesmo...eu sinto muito isso, muita gente sente e não sabe traduzir a sensação..isso é uma coisa que desde a época de Chico Xavier, no Espiritismo, já se falava, da síndrome.
Flávia: Mortes violentas também podem significar que o espírito possa ficar preso ao corpo pelo duplo etérico ou é mais um processo mental?
Wagner: As duas coisas.Vamos supor que alguém que trabalhe com energia seja atropelado ou assassinado - essa pessoa já lida com energias, a energia não vai grudar e é mais fácil para seu guia (mentor) tirar (desacoplar o espírito do corpo físico no processo de desencarne).Agora, uma pessoa alheia, estranha a isso, em um acidente desses e ainda com pensamento negativo em cima vai ser mais dificultoso o processo. Ou seja, além da energia ainda tem o lado psicológico.
Agora, no nosso caso é diferente, por exemplo, uma pessoa boa, que foi assassinada, que o duplo já era solto, permitirá imediatamente que o guia ou mentor realize a soltura, pela própria condição que se encontra o indivíduo.O problema é que na maioria das pessoas o duplo é igual à uma cola dura e ainda o pensamento só aferrado na materialidade....
Flávia:...então isso ocorre muito com um materialista?

Wagner: Isso é muito relativo, você pode encontrar um materialista melhor do que um espiritualista, com um bom caráter, que desencarna e recicla tudo do lado de lá. Não fica um peso. Agora, o materialista mal intencionado....


Alexandre: Existe a possibilidade, por exemplo, dos mentores não conseguirem tirar a pessoa que está presa no duplo etérico, no momento da morte ?

Wagner: Vários casos que a gente vê que não consegue, tem que deixar o tempo fazer o seu trabalho. Alguns casos levam meses para tirar (o Espírito do corpo físico após a morte), depende da situação. Eles fazem o melhor que dá, mas nem sempre é possível. E outra coisa, calcule: são 7 bilhões de pessoas, suponha que todo dia encarnam 1000 e desencarnam 1000 e pouco, é um entra e sai grande - pegando a maioria da humanidade que é de baixo nível moral e emocional, então é muito comum ficar preso.
Num planeta avançado, você não encontra ninguém grudado, nem suicida, nem umbral. Aqui não. Há planetas, no qual os espíritos nem sequer corpo físico tem.

Alexandre: E o que você pensa sobre a teoria hipotética da morte espiritual, como se ouve falar por aí de alguns espiritualistas ?

Wagner: Acho viajada(sic), impossível !! Uma vez atendi a um espírito que possuía apenas uma cabeça plasmada, não possuía corpo, havia se matado e era niilista. Ele negava veementemente, então eu disse: "Você está dizendo que não existe vida após a morte ?! Então com quem eu estou falando ?! Você é a prova de que há, pois estamos falando." - Então mesmo que um Espírito queira ficar aferrado por milênios, o plano espiritual possui recursos para reencarná-lo e  colocá-lo na condição de excepcional, por 3 a 4 vidas seguidas.

Alexandre: É interessante, porque isso é a teoria de alguns, mas se isso fosse verdade, porque isso não teria sido disseminado pelos próprios Espíritos ?

Wagner: Não é ! Esse é um raciocínio contrário, porque você não tem como destruir energia, energia nem nasce e nem morre, o conceito está errado, não se destrói nada. Nem energia, quanto mais consciência; a consciência já existia antes do corpo e a energia não morre, ela entra e sai.
Mesmo que o Espírito não queira se corrigir, seria ilógico o Criador, deixar a criatura sem mecanismo de um dia vir a corrigi-lo.

Alexandre: Parece que fica um conceito de morte enraizado, mesmo que haja estudos e conhecimentos sobre a imortalidade, ainda fica um atavismo sobre a questão.

Wagner: Você sabe os ovóides* ? O que acontece ? É como um "coma espiritual" a entidade está tão para dentro que ela anula a capacidade de pensar.....penso logo existo....mas ela não deixou de existir, ela está na verdade encapsulada, imersa dentro de si. E sabe como funciona o processo ? Encaixa-o em um corpo físico, porque o corpo físico o puxa e a atenção do Espirito se volta para fora, através dos 5 sentidos como fome e etc e então volta lentamente a raciocinar, sendo puxado para fora, levado 3 ou 4 vidas vindo como excepcional autista - porque o autista vive num mundo a parte, preso no passado, mas devagar vai vindo para fora de si.
Então não tem que destruir nada, pois a reencarnação efetua todo o processo. Passados 3 ou 4 vidas o indivíduo já estará como um "sujeito normal".

Flávia: Um suicida pode vir a ser vampirizado?

Wagner: Pode porque entidades grossas gostam de drenar duplo etérico até de cadáver. Então ele pega um suicida que está cheio de duplo etérico e nesses casos este sofre muito.Pode ser manipulado para encostar numa outra pessoa para dar carga de suicídio na outra ( sugestão).



Flávia: E sobre a teoria de haver gravidez no mundo espiritual, fugindo do assunto um pouco Wagner, qual sua visão?

Wagner:Não, isso não existe! O corpo espiritual é dotado de uma natureza plástica e própria, você vê entidades que são bolas de luz e então, como engravidar se não têm nem útero?! Entendeu? O que acontece é que no umbral, em cidades mais densas, pode haver entidades com problemas que envolvem a maternidade - daí acabam plasmando e somatizando, como se estivessem grávidas.Isso num plano mais denso. Reprodução espiritual não existe, é uma necessidade deste planeta, da nossa realidade. O espírito nem é humanóide na base. O que tem do lado de lá é fusão de energia, que é outra coisa.

Alexandre: Quanto a existência do duplo nos objetos, como entender melhor?

Wagner: Tudo tem energia, campo energético.Como essa garrafa ou outro objeto, toda matéria tem energia. E é idêntico. Então esse objeto, tem um contorno, um duplo o envolvendo.

Por exemplo: pega um suicida com corpo denso, ele não atravessa nada, ele esbarra nas coisas, mesmo sendo espírito. Chega a acreditar ainda que pega objetos,como se possível fosse,, na realidade só consegue pegar é o duplo dos objetos. Saindo do corpo é exatamente o duplo que se enxerga, inclusive é por isso que há desencarnados que não acreditam que morreram, por causa disso.

Flávia: Qual é sua opinião sobre trabalhos mediúnicos realizados em casa? 

Wagner: Alguns têm mania de achar e rotular que só porque pensa diferente o outro está obsediado, fascinado, obsessão simples..e vão rotulando...

Flávia: Isso quando falamos de comunicações fora dos centros espíritas?

Wagner: Isso acontece..é como um padre falando que há a necessidade de ir as igrejas.Significa que eu não posso rezar em casa?! Então no caso da mediunidade, você só pode ser médium 2 vezes por semana e o restante não?! Há um contra-senso!