Avatar

terça-feira, 14 de maio de 2013

A HOMOSSEXUALIDADE NA VISÃO ESPÍRITA: SEM PRECONCEITO ALGUM





Este post narra a visão espírita em relação ao homossexualismo, a pedidos da leitora Lúcia que bem observou ser uma notícia relevante diante do caos em torno do tema. O caos a que me refiro é em relação a falta de tolerância que têm feito o assunto palco de discussões, inclusive religiosas.

Em outro post deste blog "Parábola separando o Joio do Trigo, ainda muito atual" fiz uma alusão a esta visão distorcida que afirma ser o homossexualismo um pecado, muito amparado por "religiões" que dizem que homossexuais devem se converter a Jesus para receberem a salvação e que em outros países como a Uganda sofrem torturas, descaso, perseguição e até julgamento de morte - me desculpem inserir minha opinião pessoal, mas me pergunto que Deus é esse?

Até onde li na Bíblia, Jesus amou a todos, resgatando prostitutas, ladrões e pecadores, pobres... (minorias da época que ainda o são na atualidade) sem perseguições, torturas ou julgamentos... e quando Ele veio de acordo com a Sagrada Escritura promulgou como única lei "amar a Deus acima de todas as coisas e em segundo, amar ao próximo como a ti mesmo" estando aí o resumo de todos as leis dos profetas - findando o que foi pregado e denominado de Velho Testamento.

Creio ser por esta razão que hoje em dia encontramos várias versões de Bíblias, incluindo a remoção do nome de Jesus em algumas. Enfim, é o homem quem julga sempre e pior, deseja que sua opinião se alastre como fel, num processo manipultarório de poder com inúmeras inverdades.

Se refletirmos nisso veremos o quanto necessitamos evoluir! As mesmas questões permanecem, com algumas alterações por parte de uns; convido a todos lerem os jornais, e descobrirem por sí mesmos quem e para o que são patrocinadas essas ondas de violência e descriminação - a nível mundial.

Quero e muito acreditar que não sofreremos um retrocesso neste âmbito, pois há anos a Psicologia e Psiquiatria já retiraram a homossexualidade do quadro de doenças mentais;espero que a loucura dogmática de indivíduos que se encontram na política para melhor posicionarem seus crédulos e equívocos  não venham a requerer que conste novamente como doença a ser tratada com drogas pesadas ou eletrochoque!!!

Mas e o que diz a doutrina em relação ao tema? 

Encontramos nas palavras de Chico Xavier, quando ele  falou da relação entre o homossexualismo e o espiritismo." Todos os espiritos terão a experiência de nascer como homem e como mulher em suas inúmeras encarnações. Alguns terão dificuldades nesta transição ou até mesmo na aceitação ou adaptação de mudança de sexo em uma nova encarnação".

Mas como o próprio Chico Xavier destaca o importante não é preferência sexual das pessoas quando estão encarnadas. O importante é o caráter de cada um. Ele se refere a leis e mudanças de leis para o futuro. É importante então destacar que a declaraçnao foi dada e filmada na década de 70.

Pesquisas realizadas pelo Dr. Jorge Andrea (autor do livro Forças sexuais da alma, editado pela FEB) apontam que todo humano traz energias sexuais masculinas e femininas em sua intimidade. Nesse sentido ainda encontramos Emmanuel discorrendo sobre a bissexualidade em Vida e sexo: "A vida espiritual pura e simples se rege por afinidades eletivas essenciais; no entanto, através de milênios e milênios, o Espírito passa por fileira imensa de reencarnações, ora em posição de feminilidade, ora em condições de masculinidade, o que sedimenta o fenômeno da bissexualidade, mais ou menos pronunciado, em quase todas as criaturas. O homem e a mulher serão, desse modo, de maneira respectiva, acentuadamente masculino ou acentuadamente feminina, sem especificações psicológicas absolutas."
Andrei Moreira, em seu recente livro Homossexualidade sob a ótica do espírito imortal, encontrou na literatura espírita cinco possíveis motivadores para explicar essa experiência evolutiva (homossexualidade):
1) consequência natural do reflexo mental e emocional na vivência no mesmo sexo por muitas encarnações;
2) condição facilitadora da execução da missão espiritual;
3) situação provacional e expiacional decorrente do abuso das faculdades genésicas e do sentimento alheio;
4) reflexo mental condicionado decorrente de situações obsessivas;
5) condição reativa decorrente de processo educacional atual e/ou de traumas infantoadolescentes.

Ainda na visão espírita encontramos Kardec ( alguns pensam que Kardec não fala sobre esse assunto, mas na realidade ele comenta sim, porém fora  do Pentateuco, o que mais uma vez nos mostra que o estudo deve ir além das obras literárias, incluindo outras fontes de estudo pois somente na Revista Espírita é que ele faz sua abordagem ao tema).
Opinião de Kardec
         
Em janeiro de 1866, na Revista Espírita, quando analisa o assunto “As mulheres têm uma alma?”, ele diz o seguinte:
    (...)
    As almas ou Espíritos não têm sexo. As afeições que as une nada têm de carnal, e, por isto mesmo, são mais duráveis, porque são fundadas sobre uma simpatia real, e não sãosubordinadas às vicissitudes da matéria.
    (...)
    
Os sexos não existem senão no organismo; são necessários à reprodução dos seres materiais; mas os Espíritos, sendo a criação de Deus, não se reproduzem uns pelos outros, é por isto que os sexos seriam inúteis no mundo espiritual.
   
 Os Espíritos progridem pelo trabalho que realizam e as provas que têm que suportar, como o operário em sua arte pelo trabalho que faz. Essas provas e esses trabalhos variam segundo a sua posição. Os Espíritos devendo progredir em tudo e adquirir todos os conhecimentos, cada um é chamado a concorrer aos diversos trabalhos e a suportar os diferentes gêneros de provas; é por isto que renascem alternativamente como ricos ou pobres, senhores ou servidores operários do pensamento ou da matéria.
    
Assim se encontra fundado, sobre as próprias leis da Natureza, o princípio da igualdade, uma vez que o grande da véspera pode ser o pequeno do dia de amanhã, e reciprocamente. Deste princípio decorre o da fraternidade, uma vez que, nas relações sociais, reencontramos antigos conhecimentos, e que no infeliz que nos estende a mão pode se encontrar um parente ou um amigo.
    
É no mesmo objetivo que os Espíritos se encarnam nos diferentes sexos; tal que foi um homem poderá renascer mulher, e tal que foi mulher poderá renascer homem, a fim decumprir os deveres de cada uma dessas posições, e delas suportar as provas.
    
A Natureza fez o sexo feminino mais frágil do que o outro, porque os deveres que lhe incumbem não exigem uma igual força muscular e seriam mesmo incompatíveis com arudeza masculina. Nele a delicadeza das formas e a fineza das sensações são admiravelmente apropriadas aos cuidados da maternidade. Aos homens e às mulheres são, pois,dados deveres especiais, igualmente importantes na ordem das coisas; são dois elementos que se completam um pelo outro.
    
O Espírito encarnado sofrendo a influência do organismo, seu caráter se modifica segundo as circunstâncias e se dobra às necessidades e aos cuidados que lhe impõem esse mesmo organismo. Essa influência não se apaga imediatamente depois da destruição do envoltório material, do mesmo modo que não se perdem instantaneamente os gostos e os hábitos terrestres; depois, pode ocorrer que o Espírito percorra uma série de existências num mesmo sexo, o que faz que, durante muito tempo, ele possa conservar, no estado deEspírito, o caráter de homem ou de mulher do qual a marca permaneceu nele. Não é senão o que ocorre a um certo grau de adiantamento e de desmaterialização que a influência da matéria se apaga completamente, e com ela o caráter dos sexos. Aqueles que se apresentam a nós como homens ou como mulheres, é para lembrar a existência na qual nós os conhecemos.

Fonte da matéria sobre Kardec: http://www.ieja.org/portugues/Estudos/Artigos/p_homossexualismonavisaoespirita.htm