Avatar

segunda-feira, 15 de abril de 2013

FAMILIA: UM NÚCLEO DE APRENDIZADO


A família é um núcleo de aprendizado, onde as ligações se dão de acordo com nossa necessidade, seja de aprender, ensinar, expiação ou provação.

A presente existência procede de outras existências, havendo por isso créditos ou débitos a serem sanados, assim através de novas oportunidades evoluimos e nos melhoramos.

Precisamos refletir sobre nosso papel no núcleo familiar, pois somos responsáveis diretos por nossos pais, irmãos e filhos - seja em relação a educação, amparo, compreensão e auxílio.

E porque então existem famílias que parecem ter maior afinidade e outras não? 



A resposta está relacionada ao que se deve aprender, ensinar, expiar ou reparar pautada não nesta vida, mas nas passadas. Se assim não fosse, como explicaríamos a desigualdade social, as doenças, entre outras questões?


Cada um de nó nasce exatamente onde e como devemos nascer, pois sim, Deus é justo em Suas ações.

Porém é difícil para nós encarnados diagnosticarmos essas causas, pois uma família onde se tem alguém, por exemplo,  com alguma doença física ou mental não sabemos se é para ajudar os familiares, se é expiação, se está ensinando ou aprendendo. Sabemos antes que não cabem julgamentos, o que o espiritismo (e outras religiões) propõe é nunca crermos termos sidos desamparados por Deus, estejamos nós doentes, com dívidas, com medos ou passando por alguma lição difícil.

Em todas as situações são sempre lições e ninguém está livre delas, cada qual com a que lhe cabe no momento, no seio familiar.

Para melhor compreensão sobre o assunto trasncrevo abaixo num esquema de perguntas e respostas como o espiritismo vê o núcleo familiar:


Respostas às questões propostas 
1. Que significa  família? 
R.: A família é abençoada escola de educação moral e espiritual, oficina santificante onde se lapidam caracteres, laboratório superior em que se caldeiam sentimentos, estruturam-se aspirações, refinam-se idéias, transformam-se mazelas antigas em possibilidades preciosas para a elaboração de misteres edificantes. A família é, pois, o mais prodigioso educandário do progresso humano.

2. Quem são as pessoas que se encarnam numa mesma família?
R.: Os que se encarnam numa mesma família, sobretudo como parentes próximos, são as mais das vezes Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena. Mas pode acontecer que sejam completamente estranhos uns aos outros os Espíritos que aí se encarnam, afastados entre si por antipatias anteriores que se traduzem, na vida terrena, por mútuo antagonismo, fato que lhes serve de provação.

3. Quantas espécies de família existem? 
R.: Existem duas espécies de família e, em conseqüência, duas categorias de laços de parentesco: as que procedem da consangüinidade e as que procedem das ligações espirituais.

4. Quais as características dos verdadeiros laços de família? 
R.: Não são os da consangüinidade os verdadeiros laços de família, mas sim os da simpatia e da comunhão de pensamentos, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações.
5. Que diz o Espiritismo acerca das famílias unidas somente pelos laços corporais? 
R.: As famílias unidas apenas por laços corporais são frágeis como a matéria, extinguem-se com o tempo e, muitas vezes, se dissolvem moralmente já na atual existência.